segunda-feira

Ex-atriz pornô é acusada de agredir torcedor e acaba sendo expulsa de partida

Ela teria se irritado porque suposto fã teria insistido para tirar fotos

Estados Unidos - A ex-atriz pornô Mia Khalifa, de 24 anos, acabou sendo expulsa da arquibancada da partida de beisebol entre Los Angeles Dodgers e Chicago Cubs. Ela que se tornou comentarista do esporte foi acusada de agredir um torcedor, que pedia de forma insistente para tirar fotos ao seu lado.
Mia Khalifa se envolveu em polêmica Reprodução Internet
Segundo a imprensa, ela teria dado um soco na mandíbula. Mia se tornou famosa em 2014 quando realizou um filme pornô utilizando roupas tipicamente muçulmanas. Depois que largou esta área, passou a se dedicar a uma nova paixão, e agora é comentarista de esportes nas redes sociais. 
Mia tem mais de 2 de seguidores no Instagram, foca a maior parte dos comentários nos clubes dos principais esportes dos Estados Unidos como beisebol, futebol americano e basquete.

Comparsa de Rogério 157 é preso na Baixada Fluminense no Rio

Felipe Melo de Assis Braga, o Belo, foi preso pela DCOD Foto: Divulgação
Policiais civis da Delegacia de Combate às Drogas (DCOD) prenderam, nesta segunda-feira, o traficante Felipe Melo de Assis Braga, conhecido como Belo. Investigações apontam que o bandido é um dos comparsas de Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, que protagonizou recentemente uma violenta disputa pelo controle da venda de drogas na Rocinha, na Zona Sul do Rio.
Felipe Braga, de 24 anos, era alvo de um mandado de prisão temporária pelo crime de homicídio. Ele foi localizado pelos policiais civis na casa da sogra, no bairro Jardim Gramacho, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, e encaminhado à Cidade da Polícia, no Jacarezinho.
De acordo com a DCOD, o criminoso era ligado ao traficante Antonio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, atualmente cumprindo pena em presídio federal. Quando Rogério 157 trocou de facção e rompeu com Nem, dando início à guerra na Rocinha, Felipe seguiu o mesmo caminho.

Felipe aparece em um cartaz do Disque-Denúncia (21 2253-1177) que pede informações sobre vários comparsas de Rogério 157
Felipe aparece em um cartaz do Disque-Denúncia (21 2253-1177) que pede informações sobre vários comparsas de Rogério 157 Foto: Divulgação
Ainda segundo a especializada, o bandido chegou a passar vários dias escondido numa mata na Rocinha durante os intensos confrontos que ocorreram na favela, mas em seguida conseguiu fugir para outras comunidades dominadas pela facção que passou a integrar. A polícia afirma que Felipe era um dos homens de confiança de Rogério 157 e “braço armado” da quadrilha.
Na semana passada, outros dois suspeitos de integrar o bando de Rogério 157 já haviam sido presos. Na segunda-feira, Adaílton da Conceição Soares, o Mão, foi detido por policiais militares no bairro da Rodilândia, em Nova Iguaçu, também na Baixada Fluminense. Ele era apontado como segurança pessoal do chefe do grupo.
No dia seguinte, Tales Juan Costa dos Santos, o Talibã, de 25 anos, foi preso na própria Rocinha, durante uma incursão do Batalhão de Choque da PM. Segundo a polícia, o bandido também era um dos seguranças de Rogério 157.

Da Redação com  Extra

Irmãos Batista viram réus por manipulação do mercado financeiro

Irmãos Batista viram réus por manipulação do mercado financeiro

 São Paulo – O juiz federal João Batista Leite, da 6.ª Vara Federal, em São Paulo, aceitou nesta segunda-feira, 16, denúncia do Ministério Público Federal contra os irmãos Joesley e Wesley Batista, principais acionistas do Grupo J&F.PUBLICIDADE

Os procuradores da República Thaméa Danelon e Thiago Lacerda Nobre, do Ministério Público Federal, em São Paulo, denunciaram os empresários, na Operação Acerto de Contas, desdobramento da Tendão de Aquiles, por uso de informação privilegiada e manipulação do mercado. Os executivos estão presos.

A Tendão de Aquiles apura o uso indevido de informações privilegiadas em transações no mercado financeiro ocorridas entre abril e 17 maio, data da divulgação dos dados relacionados à delação premiada firmada pelos executivos e a Procuradoria-Geral da República.

Para o Ministério Público Federal, em São Paulo, os irmãos “minimizaram prejuízos mediante a compra e venda de ações e lucraram comprando dólares com base em informações que dispunham sobre o acordo de delação premiada que haviam negociado com a Procuradoria-Geral da República”.

“Juntos, Wesley e Joesley atuaram para reduzir o prejuízo com os papéis e lucrar com a compra da moeda americana, aproveitando-se da informação privilegiada e, como consequência, manipulando o mercado de ações”, diz a Procuradoria da República.

Segundo a denúncia, “as operações ilegais” de venda e compra de ações ocorreram entre 31 de março e 17 de maio.

Wesley foi preso em 13 de setembro, em sua casa, em São Paulo. Joesley havia sido custodiado dois dias antes por ordem do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, por suspeita de violação de sua própria delação premiada.

Os irmãos foram indiciados pela Polícia Federal em 20 de setembro. Joesley foi indiciado pela suposta autoria dos crimes de manipulação de mercado e uso indevido de informação privilegiada, previstos na Lei 6.385/76, com abuso de poder de controle e administração, em razão do evento de venda de ações da JBS S/A pela FB Participações, controladora desta última.

Wesley foi indiciado como autor do crime de manipulação de mercado e “como partícipe no crime de uso indevido de informação privilegiada praticado por Joesley com abuso de poder de controle e administração, em relação aos eventos relativos à venda e compra de ações da JBS S/A”.

O relatório final da PF na Tendão de Aquiles foi entregue ao Ministério Público Federal. Segundo o documento, com a assinatura do compromisso de delação premiada, os irmãos tiveram a certeza de que aquele documento “era impactante” e a informação poderia ser utilizada no mercado.

Da Redação com EXAME

JUSTIÇA FEDERAL: Mais de 100 adesões às intimações por whatsapp foram registradas


A Justiça Federal na Paraíba (JFPB) contabilizou mais de 100 usuários ingressos na modalidade de intimação pelo aplicativo WhatsApp, implantada no fim do mês de agosto. A 10ª Vara Federal, sediada em Campina Grande e que fez o primeiro registro no dia 30/08, é a que possui mais adesões, seguida do Centro Judiciário de Solução Consensual de Conflitos e Cidadania (Cejusc) da capital.
Segundo o diretor do Núcleo Judiciário da JFPB, Ricardo Correia, o incentivo à utilização da intimação por WhatsApp pelas Secretarias e a divulgação junto ao público externo são fundamentais para o êxito da iniciativa. “Temos plena convicção de que o incremento das intimações via WhatsApp é de suma importância para a redução dos custos e à proteção ambiental, facilitando e dinamizando o trabalho de forma geral”, disse ele, destacando que outras Varas Federais também estão implantando o serviço, a exemplo da 1ª, em João Pessoa, que fez a primeira intimação na semana passada.

A novidade tem fundamentação na Lei 11.419/2006, regulamentada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), e na decisão proferida pelo mesmo órgão no Procedimento de Controle Administrativo nº 0003251.94.2016.2000000, que entendeu pela validade da sua utilização para a comunicação de atos processuais às partes que assim optarem.
O destinatário da intimação deverá estar ciente do recebimento através do aplicativo, no prazo de 24 horas, quando se inicia a contagem dos prazos, na forma da legislação. A falta de resposta por duas vezes, consecutivas ou alternadas, implicará no desligamento do aderente a esta forma de comunicação, que somente poderá solicitar nova inclusão depois de decorrido o prazo de um ano. Em igual penalidade incorrerá se enviar textos, vídeos ou imagens através do aplicativo.

Além disso, as Secretarias das Varas Federais ficam proibidas de prestar quaisquer informações, bem como receber manifestação ou documento através da ferramenta. Caso necessite de qualquer esclarecimento, o usuário deverá comparecer ao atendimento da Vara que praticou o ato ou peticionar no processo. Os interessados em aderir à modalidade de intimação por WhatsApp deverão preencher e assinar um Termo de Adesão e enviá-lo através do e-mail intimacao.whatsapp@jfpb.jus.br.

Da Redação com Polêmica Paraíba

Escola onde segurança foi morto em assalto fechará: “Insegurança”

A Escola Viva Vida, local onde trabalhava o segurança Fábio Alves de Lima, morto durante uma tentativa de assalto em setembro, decidiu encerrar as atividades neste ano.
O anúncio foi feito aos pais por meio de um comunicado oficial, o qual cita o caso envolvendo o funcionário e culpa  a falta de segurança na região, como fatores que influenciaram para decisão da instituição de ensino.
Segundo a direção, as matriculas dos alunos que já estudam não serão renovadas para o período letivo de 2018, nem novas vagas serão abertas. As atividades da escola serão encerradas no dia 20 de dezembro deste ano.
A reportagem do Portal  tentou entrar em contato com a direção da escola, mas uma funcionária afirmou que a instituição “só devia justificativa aos pais e funcionários”.

Da Redação com MaisPB

Corretores receberão nova identidade na Paraíba

Corretores receberão nova identidade na Paraíba
 Mais de duas mil cédulas de identidade ainda se encontram no Conselho Regional de Corretores de Imóveis da Paraíba para serem entregues através das Secretarias na sede e delegacias do Órgão aos profissionais adimplentes inscritos no Sistema, de segunda a sexta-feira no horário comercial. Instituída pelo Cofeci, ela tem modelo único e é de uso obrigatório e a primeira via é gratuita.

Nesse sentido, o Creci-PB deflagrou em todo o estado recente campanha publicitária voltada ao combate ao exercício ilegal da profissão e a importância da intermediação na compra e venda de imóveis por um corretor regularmente inscrito e devidamente identificado, sob tema principal “Sem Creci, esquece !”.

Expedida anualmente, ela terá validade até o dia 15 de abril do ano seguinte ao de referência e a expedição é condicionada ao pagamento da anuidade e a atualização cadastral pelo profissional, direta e gratuitamente no caso da Paraíba, através do sitewww.creci-pb.gov.br.

Carteira sem validade

Desde o último dia 1º de janeiro, a antiga carteira profissional (vermelha), deixou de ser expedida, porém as já emitidas poderão permanecer na posse dos respectivos titulares, desde que carimbada pelo Creci com a expressão “Documento histórico, sem validade legal”.

A nova cédula é expedida sob a forma de cartão rígido de PVC, na cor azul, com expressões impressas em preto, conterá o número do CNAI, se for o caso, substitui o Cartão Anual de Regularidade Profissional (CARP) e sua face frontal será protegida por selo holográfico, tendo como imagem de fundo a figura estilizada do pássaro Colibri, símbolo da profissão e a assinatura e foto digitalizada do portador.

Através do referido site, o Creci-PB também disponibiliza ainda prontuário eletrônico contendo os dados cadastrais de cada profissional inscrito, no qual poderão ser registradas, a requerimento, informações de natureza particular legalmente permitidas.

Da Redação com PB Agora

Plenário do TRE nega cassação de Berg Lima em ação proposta pelo PSL

Ação acusava Berg de ter cometido caixa dois

O plenário do Tribunal Regional Eleitoral decidiu, por unanimidade, negar o provimento a uma Ação de Impugnação de Mandato Eletivo (AIME) que pedia a cassação do prefeito e vice de Bayeux, Berg Lima e Luiz Antônio, respectivamente. A sessão aconteceu na tarde desta segunda-feira (16).
A discussão da sessão se deu pelo fato de que a demanda teria sido proposta fora dos prazos previstos na legislação, não sobre o mérito propriamente dito.
O relator do processo, juiz Antônio Carneiro de Paiva Júnior, votou pela rejeição da ação e foi seguido pelos colegas.
A ação havia sido proposta pelo PSL, que tinha acusado Berg Lima de ter cometido caixa dois e já havia sido rejeitado de maneira monocrática pelo juiz relator do processo.

Da Redação com WSCom

Câmera de segurança registra assalto na tarde desta segunda em Catolé do Rocha

Diante as imagens de vídeo, dois elementos “arrebataram” a bolsa da vítima que trafegava também de moto


Diante da violência do assalto, a vítima quase sofrer um acidente de moto (Foto: Reprodução/Whatsapp)
Diante tanta fiscalização e blitz na Cidade de Catolé do Rocha durante o final de semana, a criminalidade não da trégua, e mais um crime de assalto é registrado na cidade.
A ação criminosa aconteceu na tarde desta segunda-feira (16), no centro de Catolé do Rocha, Sertão da Paraíba.
Diante as imagens de vídeo, dois elementos de capacete em uma motocicleta se aproximaram da vítima que trafegava em uma moto Honda biz, e de repente os dois, “arrebataram” a bolsa que a vítima carregava. Diante da violência do assalto, a vítima quase sofrer um acidente de moto.

Da Redação com Click PB

PERDEU MANDATO: Juiz afasta prefeito de Alhandra por improbidade administrativa e vice assume


O juiz Antônio Eimar de Lima, da Comarca de Alhandra, determinou a perda do mandato do prefeito Renato Mendes (DEM) por improbidade administrativa.
Na decisão, o magistrado determina a posse imediata do vice-prefeito, Edileudo da Silva Salvino (PTB).
O presidente da Câmara Municipal da cidade, Valfredo José (PT), afirmou que vai se reunir com a mesa diretora para discutir a questão.
“Eu acabei de ser notificado e estou me sentando com a assessoria jurídica e com a mesa para tomar uma decisão. Em breve nos posicionaremos”, disse.

Da Redação com Mais PB

sábado

Vice prefeito Dr. Temístocles Ribeiro Filho emite nota sobre rompimento político dele com a prefeita de Conde

Aos amigos e irmãos do Conde 
Em respeito ao estabelecimento da verdade e honestidade que marcam minha vida, sinto-me na obrigação de falar ao meu povo da minha querida cidade.
Fui surpreendido na noite de ontem com matérias veiculadas pelas mídias a respeito de uma “nota” supostamente distribuída pela prefeita do Conde onde ela faz agressões gratuitas, desnecessárias e desrespeitosas à minha pessoa.
Não entendo o porquê de tanto ódio, agressividade e ataque a quem ela julga ter “fraqueza”, talvez a fraqueza não seja minha, pois fraqueza é um comportamento de quem não tem capacidade para resolver determinadas situações e prefere partir para ataques pessoais e descabidos, tentando assim transferir para outros responsabilidades que são exclusivamente suas. Porém, jamais vou fazer esse tipo de julgamento para com a prefeita, pois minha educação e caráter me fazem respeitar a todos de forma incondicional.
Na nota a prefeita supostamente fala que minha decisão “agride frontalmente o projeto político...”. Bem, não fui eleito para usar a máquina pública como objeto de submissão, nem a serviço, de nenhum tipo de projeto político, fui eleito para usar o poder público em favor da população do Conde, querer usar a máquina pública para implantar projetos políticos de interesses escusos é o que se caracteriza de fato como uma agressão ao povo do Conde, e desse expediente jamais utilizarei.
A prefeita também me agride e me julga de irresponsável, por (na mente perturbada dela) “tentar transparecer à opinião pública e ao eleitorado uma suposta crise político-administrativa”.
Ora, em minha nota não fiz nenhuma referência a qualquer tipo de crise, minha nota foi simples, objetiva e dirigida aos grupos da gestão dos quais eu fazia parte, nada mais que isso. Se alguém, de forma incompetente, está criando uma crise, esse alguém não sou eu. Ainda mais, acho que a prefeita deveria tentar parar de fazer politicagem 24 horas por dia, não estamos em época de eleição pra ela tratar as pessoas como “eleitorado” o tempo todo. Quanto a “cumprir compromissos”, acho que ela não é a melhor pessoa do mundo pra tá falando disso.
Talvez na ânsia de me agredir e me denegrir a prefeita tenha produzido uma nota tão contraditória e mentirosa, que chega a ser ridícula.
Primeiro ela diz que eu me recusei “a participar diretamente das decisões políticas e administrativas mais importantes da Prefeitura”, linhas depois ela diz que “mantivemos um diálogo permanente, compatível com os laços de amizade que estabelecemos, as decisões foram discutidas e compartilhadas”.
Ora prefeita a senhora precisa definir com aqueles que escrevem suas notas se eu não participei, ou se eu participei das discussões de decisões, para não parecer que a senhora está tentando criar mais uma de suas estórias para o povo, afinal se eu nunca exerci nenhuma função executiva, como é que a senhora alega que as decisões eram discutidas e compartilhadas comigo? Coerência e honestidade nas palavras parecem não ser o seu forte.
Outro devaneio recheado de contradição é o fato de a nota dizer que “Pactuamos, ainda durante a campanha vitoriosa, que ao vice-prefeito caberia, a partir da nossa posse, orientar diretamente as ações da saúde.”.
Ora, a prefeita em seus discursos sempre deixou bem claro que nunca fez nenhum tipo de acordos ou pactos para vencer as eleições no Conde, como é que agora surge um suposto “pacto durante a campanha”?
Onde está a mentira, nos discursos de campanha, ou nessa declaração?
O fato de ser médico me credenciava naturalmente a expor minhas ideias sobre saúde, o que não significa que fizemos nenhum tipo de “pacto”, se a prefeita fez “pactos” secretos com alguém que ainda não vieram à tona, com certeza não foi comigo. Por oportuno, desde a campanha a prefeita sabe que sou médico e trabalho em outras cidades, inclusive sua equipe jurídica me defendeu em um processo de impugnação de candidatura alegando que isso não traria nenhum tipo de empecilho para minha atividade política, por que agora tentar demonizar isso?
Sempre trabalhei e trabalho muito dentro da minha profissão, não me envergonho disso, tenho vergonha é de pessoas que nunca trabalharam na vida a não ser ocupando cargos de confiança na máquina pública.
Será que sou eu que tenho “incapacidade de rejeitar as práticas de um passado que o Conde precisa superar”?
Fui eu que tentei proteger um ex-presidente da câmara que renunciou ao cargo por acusações de corrupção e atuei para eleger um outro ex-presidente que todo seu grupo acusava de “membro de gangue” em seus discursos?
Ou será que a tal “incapacidade de rejeitar as práticas de um passado que o Conde precisa superar” seria distribuir “vagas da educação” para vereadores como ficou claro em um áudio vazado de grupo de whatsApp?
Ou ainda, “incapacidade de rejeitar as práticas de um passado que o Conde precisa superar” seria reduzir e fechar serviços de saúde da população em nome de uma necessidade financeira, enquanto gabinetes são inchados com alguns assessores que se quer pisam na cidade para receber dos cofres públicos, mas que são mantidos como se fosse uma demonstração de submissão à políticos?
Pois é, apenas em alguns exemplos fica claro que quem é incapaz de rejeitar práticas políticas atrasadas e desonestas, com absoluta certeza, não sou eu.
Do mesmo modo, não pode ser atribuído a mim o hábito de acreditar “na política enquanto processo de acomodação de interesses”, pois quem é o gestor, quem aplica suas práticas, desejos e vontades usando a máquina pública não sou eu.
Acho que o despreparo e incompetência fazem a prefeita esquecer que o “poder da caneta” para acomodar interesses não é meu, então, de sua prática jamais posso ser acusado.
Quanto às declarações sobre a nomeação de minha esposa como adjunta, depois como secretária, novamente como adjunta e a nomeação de uma advogada de São Paulo, mais uma vez a prefeita tenta criar uma história fantasiosa e falaciosa para tentar me denegrir e esconder sua incompetência em nomear pessoas capazes para gerir a saúde da cidade, tendo usado minha esposa como um tapa buracos durante um período, pois a esposa de seu secretário de comunicação foi nomeada, e após mais de um mês dando cabeçadas na secretaria, teve sua nomeação estranhamente cancelada, o diário oficial do município não me deixa mentir.
Enquanto isso, colocava-se em prática sua política de cortes, reduções e sucateamento dos serviços de saúde para a população. E isso eu jamais vou aceitar para o meu povo.
Desde ontem me pergunto o porquê de uma nota com tanto ódio, tanta agressividade, tanto despreparo para a coisa pública e tantas falácias emitida supostamente pela prefeita.
Na nota que emiti na quarta-feira última eu apenas disse que me sentia decepcionado e por isso estava me afastando, desejei boa sorte a todos e deixei claro o respeito que tenho por todos, da forma como aprendi com meu pai. Nada mais que isso.
Será que se afastar, pensar diferente e não coadunar com submissões e mentiras são atitudes tão graves que mereçam tamanha agressividade da prefeita?
Onde estão o respeito à democracia e ao contraditório?
Até a última terça-feira eu era elogiado e exaltado pela prefeita e por toda sua trupe, não entendo essa mudança de opinião tão rápida e odiosa apenas pelo fato de eu ter dito que estava me afastando de uma função que a própria prefeita diz que eu nunca exerci.
Para concluir, tudo o que desejo, novamente, é uma boa sorte a prefeita pra tentar mudar o que já começou de forma lamentável, pedir a ela que tente agir com inteligência e respeito ao o povo do Conde, que desarme seu palanque e tire do seu coração tanto ódio e agressividade, nossa cidade não merece isso, e finalmente dizer aos meus irmãos do Conde que contem comigo sempre, como sempre foi e como sempre será.

Jacumã/Conde-PB, 06 de outubro de 2017.
Dr. Temístocles Ribeiro Filho - Vice-prefeito eleito pelo povo.    

Da Redação com assessoria do Vice prefeito

segunda-feira

Maia: Denúncia contra Temer e ministros deve ser analisada em votação única

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu hoje (25) que a denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral de República (PGR) contra o presidente Michel Temer e dois ministros de seu governo – Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência) – seja votada de forma única, sem fatiamento por pessoa ou por crime.
Maia falou com jornalistas após uma reunião de cerca de duas horas com a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia. Ele negou, no entanto, ter discutido o tema com ela, embora tenha desconversado sobre a pauta do encontro.
“Para mim é muito claro que é uma votação só, o precedente é esse, e a peça foi encaminhada de forma única [pelo STF]”, afirmou Maia.
A possibilidade de fatiamento foi levantada por alguns parlamentares depois da chegada da denúncia à Câmara na última quinta-feira (21). No entanto, já no dia seguinte, a Secretaria-Geral da Mesa autuou o processo de forma única.
“A Secretaria-Geral tomou uma decisão que foi a minha decisão, de entender que a peça é única”, afirmou Maia. Nesta segunda, entretanto, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), não descartou que o colegiado modifique o entendimento e fatie a votação por acusado.

Para Maia, tal modificação somente deveria ser feita pelo Supremo, e só se o Tribunal for provocado em uma ação formal sobre o trâmite da denúncia. “Se vai haver algum tipo de mudança, acho que não pode ser nem por consulta, deve ser por meio de algum instrumento como mandado de segurança, para que o Supremo possa manter ou mudar a interpretação”, disse o presidente da Câmara.
Ao ser questionado sobre a expectativa do Planalto de que a denúncia seja votada até 22 de outubro, revelada pelo vice-líder do governo na Câmara, Darcísio Perondi (PMDB-RS), Maia respondeu apenas que “quem decide isso é o presidente da Câmara”.
Ele disse confiar que a leitura da denúncia será realizada amanhã (26) em plenário. A formalidade, necessária para que o processo siga para a CCJ, seria realizada nesta segunda, mas acabou adiada por não ter sido atingido um quórum mínimo de 51 deputados.
Segunda denúncia
No último dia 14 de setembro, o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot apresentou a segunda denúncia contra Temer ao STF. Nesse processo, Janot acusa Temer e os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco, ambos do PMDB, de terem formado esquema de corrupção, envolvendo integrantes do partido na Câmara, com o objetivo de obter vantagens indevidas em órgãos da administração pública.
Na acusação por obstrução de Justiça, Temer teria atuado para comprar o silêncio do doleiro Lúcio Funaro, um dos delatores nas investigações, que teria sido o operador do suposto esquema. A interferência teria ocorrido por meio dos empresários da JBS, Joesley Batista e Ricardo Saud, que são acusados do mesmo crime.
A defesa de Michel Temer contestou as acusações e apresentou ao STF pedido para que a denúncia fosse devolvida à PGR. Mas o plenário da Corte decidiu encaminhar a denúncia para a Câmara, à qual cabe autorizar ou não o prosseguimento da investigação na Justiça.
Em vídeo divulgado na sexta-feira (22), Temer afirmou que foram apresentadas “provas forjadas” e “denúncias ineptas”. “A verdade prevaleceu ante o primeiro ataque a meu governo e a mim. A verdade, mais uma vez, triunfará”, disse.
Na mesma denúncia, também são alvo os ex-deputados Eduardo Cunha, Henrique Eduardo Alves, Geddel Vieira Lima e Rodrigo Rocha Loures, todos do PMDB.

 Da Redação com Agência Brasil

UM PARLAMENTO AUSÊNTE: Sem quórum, Câmara adia novamente leitura da segunda denúncia contra Temer

Leitura de denúncia contra Temer é adiada para segunda-feira

Sem quórum, Câmara adia novamente leitura da segunda denúncia contra Temer
Sessão do plenário não foi realizada por causa da baixa presença de deputados. Supremo só poderá analisar denúncia contra o presidente se a Câmara autorizar.
Pela segunda vez, Câmara dos Deputados adiou, nesta segunda-feira (25), a leitura da nova denúncia contra o presidente Michel Temer, apresentada pela Procuradoria Geral da República. Não houve presença suficiente de parlamentares para a abertura da sessão de plenário. A leitura é uma formalidade para o processo ter andamento na Casa.
A sessão de plenário havia sido agendada para iniciar às 14h. Era necessário que, dos 513 deputados, pelo menos 51 deputados estivessem presentes para que ela fosse aberta. No entanto, 30 minutos depois, com apenas 23 parlamentares na Casa, dos quais nove presentes no plenário, a reunião foi cancelada. Uma nova sessão foi marcada para a manhã de terça-feira (26).
A denúncia contra Temer foi entregue pelo Supremo Tribunal Federal (STF) à Câmara na quinta-feira (21). Na sexta-feira (22), a leitura já havia sido adiada, depois que a sessão do plenário foi cancelada, também por falta de quórum.
Um dos deputados presentes nesta segunda, Chico Alencar (Psol-RJ) afirmou que acreditava que o quórum seria alcançado e trouxe a denúncia impressa para acompanhar a leitura. Segundo ele, a demora do governo em concluir essa etapa já é vista como uma estratégia para angariar apoio.
“A indagação que fica é: tendo pressa em enterrar logo essa denúncia, por que governistas não se mobilizam para dar o quórum aqui? Parece que isso tudo, na verdade, faz parte do jogo. É uma sinalização que eles vão vender carinho esse apoio ao governo, como toda e qualquer matéria”, criticou”, criticou.
Denúncia
Temer foi denunciado ao STF pelos crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça. Mas a Corte só poderá analisar a acusação se a Câmara autorizar.
A votação pode acontecer em outubro, segundo estimou o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ).
Nesta quinta, o Supremo rejeitou, por 10 votos a 1, pedido da defesa de Temer para suspender o envio da denúncia à Câmara.
Os advogados do presidente queriam que a Corte aguardasse a conclusão das investigações sobre se executivos da J&F omitiram informações nas delações premiadas. As provas apresentadas por eles compõem parte da denúncia contra Temer.
Análise na Câmara
Assim como na primeira denúncia oferecida contra Temer, por corrupção passiva, caberá à Câmara dos Deputados decidir se autoriza ou não a continuidade do processo ao Supremo.
Se a denúncia seguir para o STF e os ministros decidirem aceitá-la, Temer se tornará réu e será afastado do mandato por até 180 dias.
Mas, para a acusação da PGR contra o presidente seguir para a Corte, são necessários os votos de, no mínimo, 2/3 dos deputados, ou seja, 342 dos 513.
Se a Câmara não der aval ao prosseguimento do processo, a denúncia ficará parada até o fim do mandato de Temer, em 31 de dezembro de 2018.

Da Redação com G1

Ex-prefeito de Cacimba de Areia é alvo do MP por enriquecimento ilícito

A Promotoria de Justiça do Patrimônio Público de Patos ajuizou cinco ações civis por improbidade administrativa contra o ex-prefeito de Cacimba de Areia, Inácio Roberto de Lira Campos, e o ex-secretário de Finanças e Tesoureiro do Município, Paulo Rodrigues Lima, por enriquecimento ilícito, ocorrido durante a gestão 2009 a 2012.
Também são alvos das ações o ex-secretário de Administração de Cacimba de Areia, Luiz Carlos de Araújo Costa, o contador Rosildo Alves Morais, e os empresários Marconi Edson Lustosa Félix, Semeia Trindade Leite, Ricardo Luna Albuquerque, Aristotenis Bezerra e José Ailton Tibutino, e ainda a empresa Ecoplan Contabilidade.
Segundo o promotor de Justiça Alberto Vinícius Cartaxo, as ações são resultados de investigações iniciadas com a Operação Dublê, realizada pela Polícia Federal em 2012, no âmbito dos Municípios de Catingueira e Cacimba de Areia.
O promotor explicou que os envolvidos formaram uma organização criminosa que se utilizou de dois mecanismos para dilapidar o patrimônio publico. O primeiro foi a emissão de diversos cheques sem planejamento orçamentário, sem emissão de empenho ou correlação com serviço prestado, sendo despesas não autorizados por lei. “Como tais valores precisavam ser contabilizados, criou-se a ficção de saldo de caixa, constando na contabilidade pública R$ 1.813.952,71 na tesouraria do Munício de Cacimba de Areia-PB”, aponta o promotor.
O segundo mecanismo foi a utilização de empresas fantasmas para a emissão de empenhos sem a respectiva prestação do serviço, obra ou entrega de mercadoria adquirida, totalizando a soma de R$ 1.731.000,00 em prejuízo ao Município.
“O nível de ousadia da organização criminosa era de tal tamanho que para subtrair dinheiro dos cofres públicos, muitas vezes, a organização informava a existência de determinada licitação, mas sequer confeccionava os procedimentos licitatórios das empresas fantasmas; outras vezes, simplesmente sacavam dinheiro das contas da prefeitura sem qualquer suporte fático que autorizasse a movimentação”, destaca o promotor na ação.
Na ação, o promotor destaca que foram utilizadas ainda provas colhidas em inspeções realizadas pelo Tribunal de Contas do Estado da Paraíba na Prefeitura, que revalidaram os achados da Polícia Federal.
Condutas
De acordo com as ações, o prefeito e o ex-secretário de Finanças de Cacimba de Areia foram responsáveis pela emissão de saques e emitiram cheques para a retirada de verbas públicas em desobediências às normas elementares de responsabilidade fiscal e contabilidade pública, sem qualquer comprovação de uso público de tais valores e demonstração da utilização das verbas para gastos pessoais. Além disso, emitiram empenhos sem licitação e pagamento de empenhos com falsificação de recibos, bem como pela realização de saques dos valores devidos quando tais quantias poderiam ter sido transferidas para as contas dos licitantes.
Já Rosildo Alves e a Ecoplan lançaram despesas inexistentes em saldo de caixa, sendo do seu conhecimento da inexistência de qualquer valor nos cofres da tesouraria, de forma a possibilitar a criação de uma contabilidade fictícia que servisse de cumprimento, ao menos formal, às obrigações impostas pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).
Ainda segundo a Promotoria, Marconi Edson Lustosa participou da organização do sistema de desvio de verbas públicas, atuando como intermediário, fornecendo empresas inexistentes para a realização dos saques, visando o cumprimento, ao menos formal, das obrigações impostas pela LRF. O ex-secretário de Administração é alvo por ter organizado as licitações fraudulentas e pela participação na organização do sistema de desvio de verbas públicas, servindo como um dos agentes do prefeito eu ex-secretário de Finanças.
Em relação a Semeia Trindade, ficou evidenciado, segundo o promotor, que ela disponibilizou empresas das quais era intermediária ou proprietária para a realização de fraudes no Município de Cacimba de Areia. Ricardo Luna e Aristotenis Bezerra participaram da organização do sistema de desvio de verbas públicas, por meio da utilização de empresa de fachada para a emissão de notas fiscais, visando o cumprimento parcial, ao menos do ponto de vista formal, das obrigações impostas pela LRF. O empresários José Ailton também permitiu que sua empresa fosse utilizada para fornecer notas fiscais à Prefeitura de Cacimba de Areia, tendo ele mesmo reconhecido o uso indevido da empresa.
Pedidos
A ação pede a condenação por ato de improbidade administrativa e a condenação dos envolvidos a perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, ressarcimento integral do dano, quando houver, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de oito a dez anos, pagamento de multa civil de até três vezes o valor do acréscimo patrimonial e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de dez anos.

Da Redação com Mais PB

Governador silencia sobre Caso Propinoduto envolvendo irmão e auxiliares próximos

Governador silencia sobre Caso Propinoduto envolvendo irmão e auxiliares próximos
O governador Ricardo Coutinho não quis se manifestar, durante encontro do PSB, no final de semana, sobre a decisão do Ministério Público do Estado instaurar Procedimento Investigatório Criminal contra seu irmão, Coriolano Coutinho, e vários de seus auxiliares, envolvidos no escândalo conhecido como Propinoduto.

O caso começou durante uma blitz, em 30 de junho de 2011, quando policiais flagraram uma pasta com R$ 81 mil supostamente destinados a pagamento de propinas, conforme documento expedido pelos delegados que participaram do inquérito, que tratou o caso como “corrupção ativa” (veja documento acima). O dinheiro estava em poder de Rodrigo Lima da Silva, servidor do Estado.

Dentro da pasta, havia ainda um bilhete com anotações, supostamente para a distribuição do dinheiro: “G – 28.000,00; L – 10.000,00; C – 39.000,00; Dra. Laura 4.000,00.” Somando, totalizava precisamente… R$ 81 mil. Conforme documento protocolado pelo Fórum dos Servidores junto ao Ministério Público, as letras se referiam a auxiliares do Governo.

No documento protocolado pelo Fórum junto ao Ministério Público, o “G” seria de Gilberto Carneiro (procurador geral do Estado, “L ” de Livânia Farias (secretária de Administração), “C” – Coriolano Coutinho (Irmão do governador) e Dra Laura (Farias), então superintendente da Sudema (Superintendência de Desenvolvimento do Meio Ambiente).

O detalhe é que, durante a campanha eleitoral, dados do Tribunal Regional Eleitoral sinalizam que, dois dos quatro auxiliares citados na denúncia, Coriolano (irmão do governador Ricardo) e a superintendente das Docas de Cabedelo, Laura Farias, fizeram doações à campanha do governador, candidato do PSB. Lauro doou R$ 1,5 mil, enquanto Coriolano fez duas doações, que totalizaram R$ 24 mil.

Arquivado – Em setembro de 2015, a promotora Ana Maria França Oliveira mandou “apurar o motivo pelo qual o ex-secretário-executivo do Estado, Dr. Raymundo José Araújo Silvany, determinou o arquivamento do procedimento, na apreensão de R$ 81.000,00, por falta de ausência de fato típico enquadrado em lei como crime…”

“… Mesmo diante de seis delegados, dois representantes de associação de defesa das prerrogativas dos delegados de Polícia Civil, sem enviar ao Ministério Público, o único que teria a capacidade de definir pela tipicidade de conduta”. A iniciativa da promotora trata-se da Portaria da Promotoria nº 63/2005, de 1 de setembro último.

Ação – Em abril de 2016, a advogada Laura Berquó acionou o secretário Cláudio Lima (Segurança) para dar explicações sobre o sumiço do inquérito, arquivado de forma irregular, uma vez que só poderia ser, mediante parecer do Ministério Público, o que efetivamente não ocorreu. Agora, o caso volta a assombrar auxiliares e um parente próximo do governador.

Depoimento – Confira um trecho do depoimento de Rodrigo Lima, que foi detido na blitz. O vídeo vazou na Internet e pode ser conferido em http://goo.gl/xPNVAU.

Resumo PB

quarta-feira

Soldado da PM fica ferido após acidente durante perseguição em João Pessoa

Policial perseguia suspeitos de roubar um carro em Santa Rita quando perdeu o controle da moto que pilotava e bateu em outra moto e um carro no bairro Jardim Veneza, na Capital
Acidente aconteceu no bairro Jardim Veneza
Acidente aconteceu no bairro Jardim Veneza
Um soldado da Polícia Militar sofreu uma fratura em um dedo do pé direito após bater em uma moto e um carro durante uma perseguição a suspeitos de roubar um veículo, na manhã desta quarta-feira (20), em João Pessoa.

De acordo com a assessoria de comunicação da Polícia Militar, os bandidos roubaram um carro no distrito de Várzea Nova, município de Santa Rita, na Grande João Pessoa, mas foram surpreendidos por policias da Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam), que iniciaram perseguição.

A perseguição continuou por Santa Rita, por trechos da rodovia BR-230 e terminou nas proximidades da sede do Corpo de Bombeiros, no bairro Jardim Veneza, Zona Oeste da Capital, quando o soldado perdeu o controle da moto e bateu em outra moto e um carro.

Com o impacto, o soldado teve fratura em um dedo da perna direita e foi socorrido para o Ortotrauma de Mangabeira, conhecido como Trauminha. Segundo a unidade, o soldado passou por exames e vai ser submetido a cirurgia e possui estado de saúde estável.

Ainda segundo a assessoria de comunicação da PM, os criminosos abandonaram o carro roubado e conseguiram fugir.

Da Redação com Correio

Motorista é preso suspeito de dirigir bêbado ônibus escolar com 15 crianças em Campina Grande

Teste do bafômetro confirmou que ele estava bêbado; motorista foi demitido e vai responder administrativamente pelos danos. Motorista é preso pela PRF por dirigir bêbado ônibus escolar com 15 crianças (Foto: Divulgação/ Polícia Rodoviária Federal) 
 Motorista é preso pela PRF por dirigir bêbado ônibus escolar com 15 crianças (Foto: Divulgação/ Polícia Rodoviária Federal)

Um motorista foi preso na manhã desta quarta-feira (20) suspeito de estar dirigir bêbado um ônibus escolar com 15 crianças dentro do veículo.
A prisão foi realizada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) nas proximidades do posto rodoviário da Farinha, na BR-230.
De acordo com a PRF, o homem realizou o teste do bafômetro que acusou que ele havia ingerido bebida alcoólica. O ônibus, da Prefeitura de Campina Grande, transportava alunos que estavam assistindo aula na zona urbana da cidade, mas moram na zona rural.
O motorista foi encaminhado para a Central de Polícia e deve responder por crime de trânsito. De acordo com nota da Secretaria de Educação de Campina Grande, também foi determinada a 'demissão sumária' do motorista, que também deve responder "administrativamente pelos danos causados ao bem público e aos direitos das crianças e adolescentes do Sistema Municipal de Ensino".
A nota também destaca que a prisão "não condiz com o trabalho desempenhado por todos os motoristas do transporte escolar, que possuem capacitação específica para este tipo de atividade, e tem sua rotina profissional fiscalizada pela Gerência de Transportes da Pasta".

Da Redação com G1

segunda-feira

CGU afirma que “fragilidade” no túnel da Lagoa é resultado da falta de um projeto básico da obra

CGU afirma que

Sem um projeto básico, não tem como posteriormente saber exatamente o que havia sido planejado ou até mesmo realmente utilizado na execução das obras de revitalização do Parque Solon de Lucena, a Lagoa. De acordo com a Nota Técnica da Controladoria-Geral da União (CGU), enviada este ano ao Ministério Público Federal (MPF) e Polícia Federal (PF), é na etapa da galeria onde é mais sensível a ausência do projeto básico.
Isso porque se a Prefeitura de João Pessoa (PMJP) tivesse seguido esta etapa da licitação, teria uma solução imediata para, por exemplo, solucionar os rompimentos do túnel na Avenida Padre Azevedo, ocorridos com as chuvas do ano passado, por três vezes consecutivas, em que traseuntes conseguiram até pescar peixes no local.
O próprio Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA) da Acquatool Consultoria, contratado pela PMJP, indica que deveria ser feito um projeto básico, pois o que ela indicou como método e equipamentos que deveriam ser utilizados foram baseados em uma simulação.
O projeto básico seria necessário, à época, para estimar quanto de esforço que a galeria suportaria, usando o material comprado pelo único fornecedor, a ARMCO STACO S/A. “Portanto, as características  do solo, o recobrimento, os recalques esperados, as cargas permanentes ou trens de carga que terão que suportar, são essenciais para a determinação do tipo  de couraça  a ser utilizada, especialmente nos centros das grandes cidades”, diz trecho do estudo, que está anexado à Nota Técnica da CGU.
Com isso, a CGU sinaliza que a falta deste projeto ocasionou “fragilidades” no processo de drenagem, e, por conseguinte, resultou nos rompimentos do túnel da Lagoa.
CGU afirma que "fragilidade" no túnel da Lagoa é resultado da falta de um projeto básico da obra
CGU afirma que "fragilidade" no túnel da Lagoa é resultado da falta de um projeto básico da obra

Obra sem projeto básico desde sempre

Projetos básico, executivo e execução das obras e serviços. Estas são as etapas de uma licitação, de acordo com a Lei nº 8.666/1993, que disciplina processos licitatórios e contratos da Administração Pública. Mas a obra de revitalização e reabilitação do Parque Solon de Lucena, a Lagoa, foi executada sem um projeto básico, conforme atesta a Nota Técnica da Controladoria-Geral da União (CGU), enviada este ano para as investigações do Ministério Público Federal (MPF) e Polícia Federal (PF).
O que a Prefeitura de João Pessoa (PMJP) fez foi contratar um Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA), com a empresa Acquatool (a mesma que fez o EIA-RIMA da Barreira do Cabo Branco) e achou que somente isto bastasse.
De acordo com a CGU, a falta de um projeto básico influenciou negativamente na elaboração e aplicação do orçamento na obra. Para além disso, não havia “informações geológicas-técnicas”, nem informações sobre “as características do solo, cargas, entre outros”, que teriam sido “fundamentais na definição da solução técnica” e no custo da obra.
A CGU aponta essa falta de planejamento da obra como uma das irregularidades que constam no relatório publicado em dezembro de 2015 e reiterada nesta Nota Técnica.
Inclusive, o Ministério das Cidades também indica a ausência da falta do projeto básico e ainda afirma que a licitação foi equivocada.
“Mas entendemos que houve um equívoco administrativo na licitação efetuada, uma vez que foram utilizados apenas os critérios do EVTEA para a reabilitação da Lagoa do Parque Sólon de Lucena, em João Pessoa. No entanto, em momento algum o município elaborou  projeto básico, contendo características dos esforços  que a referida galeria  teria que suportar”, diz trecho do documento.
O Ministério ainda vai além e supõe que realmente a Prefeitura de João Pessoa não soube distinguir um estudo técnico de um projeto básico.
“Imaginamos até que o Município , ao nosso ver equivocadamente,  entendeu que a descrição  da estrutura  constante do EVTEA  era similar  a um projeto básico em virtude da especificidade da estrutura”.

Da Redação com Paraíba Já

‘Estamos prestes a não poder pagar’ a Previdência, diz ministro

O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, disse nesta segunda-feira (11) que o país não tem condições de conduzir as reformas da Previdência e tributária ao mesmo tempo. Ele disse que a reforma mais urgente é a da Previdência e que o país está prestes a não conseguir suportar os custos com aposentadorias e pensões.

“A gravidade da situação é esta mesmo: nós estamos prestes a não poder pagar (a Previdência)”, afirmou Oliveira, durante sua apresentação no 14º Fórum de Economia da Fundação Getulio Vargas, em São Paulo.

O texto-base da reforma da Previdência foi aprovado pela comissão especial da Câmara em maio e ainda deverá ser votado em plenário. Por se tratar de uma proposta de alteração na Constituição, precisará de pelo menos 308 votos, em dois turnos de votação.

“Nós vamos ter que pedir uma autorização do BNDES para poder pagar a Previdência neste ano e no ano que vem. Depois nos anos seguintes não vai ter como. Então, nós estamos emitindo dívida para pagar a Previdência. E nós vamos pedir uma alteração na Constituição para poder fazer isso. Esse é o cenário. É gravíssimo”, emendou.

O governo pediu ao BNDES que devolva neste ano R$ 50 bilhões aportados no banco pela União. Para o ano que vem, foi feito outro pedido no valor de R$ 130 bilhões.

“Isso em certa medida demonstra o tamanho do problema que nós estamos enfrentando de financiamento do déficit”, afirmou aos jornalistas.

O ministro disse que a solicitação está em análise no banco que, de acordo com ele, tem recursos suficientes em caixa. “É importante dizer que nós não faremos nada que não seja saudável também para o BNDES”, completou.

Ajuste fiscal

O governo federal está no meio de um ajuste fiscal para tentar reequilibrar suas contas. O processo prevê corte de gastos do Orçamento, uma série de privatizações, a realização da reforma da Previdência e de um PDV de servidores públicos.

Para o ministro, não há “nenhuma possibilidade” de se estabelecer o equilíbrio fiscal sem “enfrentar a questão da Previdência”.

Congresso

Oliveira afirmou que o governo não tem “condições operacionais de tramitar no Congresso Nacional duas reformas dessa magnitude ao mesmo tempo”, em referência às reformas da Previdência e tributária.

Oliveira destacou a importância de reavaliar a estrutura do sistema de cobrança de impostos brasileiro para equilibrar as receitas do país, mas disse que as mudanças na Previdência devem ser priorizadas.

“A reforma que nós precisamos fazer mais urgentemente é a da Previdência. A reforma tributária é, ao meu ver, o passo seguinte. Isso está sendo bastante discutido no Congresso, no governo e deverá ter o seu encaminhamento”, afirmou.

O ministro disse também que ainda não se sabe o quão ampla poderá ser a reforma tributária.
“Eu não sei exatamente qual é a viabilidade para o tamanho de uma reforma tributária que a gente consegue implementar.”
Oliveira disse confiar na previsão do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, de votação do texto da reforma da Previdência no Congresso até o fim de outubro.

Da Redação com G1

Furacão Irma atinge sul da Flórida e deixa ao menos três mortos nos EUA

 
O olho do furacão Irma atingiu as ilhas Keys, ao sul da Flórida, por volta das 7h10 da manhã deste domingo (10) no horário local (8h10 em Brasília), com ventos de até 215 km/h.
No começo da tarde, o furacão foi reclassificado da categoria 4 para a categoria 3, numa escala que vai até 5, pelo NHC (Centro Nacional de Furacões dos EUA). Ao se aproximar da costa, os ventos ficaram mais fracos: agora chegam no máximo a 195 km/h.
O Irma deve atingir a costa da Flórida nas próximas horas. Às 14h no horário local (15h em Brasília), o furacão estava a 55 km da cidade da Naples, na costa oeste do Estado. O furacão se move a uma velocidade média de 15 km/h.
O olho do furacão tem cerca de 40 km de diâmetro e gera fortes ventos e chuvas num raio de 600 km. Com isso, todo o Estado da Flórida deverá ser afetado por tempestades. Há risco de alagamentos e de fortes danos às casas.
Ao menos 30 pessoas já morreram devido à passagem do furacão, sendo três delas nos EUA e 27 em países do Caribe.
As três mortes nos EUA aconteceram em acidentes com pessoas que dirigiam em meio à tempestade na Flórida. Duas pessoas morreram em uma colisão frontal no arredores de Tampa na manhã deste domingo. A terceira vítima era um motorista de uma caminhonete que transportava um gerador e perdeu o controle do veículo em Key West, uma das ilhas ao sul da Flórida.

Joaquin Sarmiento/AFP
Os soldados observam a distância à medida que as pessoas se reúnem no aeroporto de Enrique Olaya Herrera em Medellín, na Colômbia, para que uma missa seja oficiada pelo Papa Francisco em 9 de setembro de 2017. O Papa Francis visita a cidade colombiana de Medellín, ex-fortaleza da droga tardia barão Pablo Escobar, no quarto dia de uma turnê papal para promover a paz.
Caminhonete que transportava gerador em Monroe County; motorista morreu após o acidente
Cerca de 1,4 milhão de pessoas estão sem energia elétrica devido ao mau tempo gerado pela chegada do furacão, a maior parte delas na região de Miami. O conserto das redes de fiação deve levar semanas.
Até sábado (9), a expectativa era de que o olho do furacão passasse pela costa leste do Estado, onde fica Miami. No entanto, houve uma mudança de rota e o fenômeno deve atingir mais fortemente a costa oeste.
Apesar de Miami não estar na rota direta do furacão, a cidade enfrenta fortes ventos e chuva. As ruas estão totalmente vazias. Há inundação e árvores caídas.
Na costa oeste, as cidades de Naples, Fort Myers e a baía de Tampa, densamente povoadas, podem ser atingidas por ondas de até 4,5 metros, capazes de cobrir uma casa.
Ao menos 6,3 milhões de moradores no Estado receberam ordem para deixar suas casas. As autoridades alertam para fortes ventos e ondas que podem superar 4,5 metros.
O Estado também deve ser atingido por pequenos tornados. Um deles foi registrado em Fort Lauderdale, que fica 50 km ao norte de Miami.
Veja abaixo imagens da enchente em Key West, ilha ao sul da Flórida.
A expectativa é que Irma passe pela Flórida ao longo deste domingo e de segunda. Em seguida, o fenômeno deve seguir para o estado da Georgia.
Os aeroportos de Miami, Fort Lauderdale, Tampa e Orlando estão fechados. Na área de Orlando, os parques Walt Disney World, Universal Studios e Sea World também fecharam suas portas até segunda-feira (11).
As autoridades lembram que o maior risco para os moradores locais não é o vento, mas as fortes chuvas trazidas pelo Irma. “A tempestade tem maior potencial de matar mais pessoas e causar o maior volume de danos”, disse Brock Long, chefe da Agência Federal de Gerenciamento de Emergências.
Irma, que motivou uma das maiores evacuações da história dos EUA, deve causar prejuízos de bilhões de dólares na Flórida, o terceiro Estado mais populoso do país.
MORTES NO CARIBE
O furacão deixou ao menos 27 mortos no Caribe, em San Martin, Ilhas Virgens, Anguilla, Porto Rico e Barbuda. Neste domingo, foram confirmadas mais duas mortes em San Martin.
Em Cuba, atingida pelo Irma na sexta-feira (8) e sábado (9), houve fortes inundações no litoral, de Matanzas a Havana, com ondas de seis a nove metros, segundo o Instituto de Meteorologia do país.
A água do mar golpeou o Malecón, a avenida costeira de Havana, e avançou por 250 metros da cidade. Ao menos 1,5 milhão de pessoas foram evacuadas na ilha. Não há informações sobre mortes em Cuba.
Da Redação com Uol

Homem é assassinado com mais de 10 tiros em cidade do Sertão

Vítima é natural da cidade de Manaíra


Um homem, identificado como José Siqueira, foi assassinado com mais de 10 tiros, no início da tarde desse domingo (10), no sítio Poços dos Cachorros, que fica localizado na zona rural de Santana de Mangueira. A vítima é natural da cidade de Manaíra.
De acordo com informações de populares, a vítima estava bebendo em um bar, quando chegaram dois homens em uma moto, usando fardamento da empresa Energisa, aproximaram-se e efetuaram mais de dez disparos contra ela. Em seguida a dupla fugiu do local, tomando destino ignorado.
A Polícia Militar foi acionada, saiu em diligências, mas até o momento, ninguém foi preso, tampouco, identificado como autor do homicídio.

Da Redação com Vale do Piancó Notícias

Governadores pressionam Temer para que a Chesf não seja vendida


Foto: Ascom
Os nove governadores nordestinos estão se mobilizando para tentar brecar o processo de privatização da Chesf – a estatal que produz boa parte da energia utilizada na região.
Em carta dirigida ao presidente Michel Temer, eles pedem a exclusão da Chesf do processo de venda da Eletrobras (holding estatal do setor elétrico que controla a Chesf), e pedem a transformação da empresa nordestina numa estrutura pública vinculada ao Ministério da Integração Nacional.
Os executivos nordestinos ponderam junto a Temer que a alienação da Chesf poderia prejudicar projetos hídricos que utilizam a água do Rio São Francisco.
“Todas essas usinas de energia (do Sistema Chesf) são movidas a água. E esse processo compromete previamente a vazão dos rios, ficando prejudicado qualquer outro uso atual ou futuro”, argumentam os governadores acerca da necessidade de controle contínuo da vazão, em vários trechos do percurso hídrico.
“É preciso cautela antes de se colocar em pauta qualquer projeto de transferência da operação para investidores privados”, reforçam os governadores.
Ainda na correspondência dirigida à Presidência da República, os governadores nordestinos propõem a unificação de vários órgãos dedicados ao desenvolvimento regional, a exemplo da Chesf, Sudene, Dnocs e a Codevasf (Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco).

Da Redação com Paraíba Online

Juiz do Distrito Federal suspende acordo de leniência da J&F

O juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, decidiu nesta segunda-feira (11) suspender o acordo de leniência firmado entre o grupo J&F e o Ministério Público Federal.
Vallisney validou o acordo de leniência na semana passada, mas condicionou a validação a uma decisão do Supremo Tribunal Federal sobre as delações dos executivos do grupo.
Hoje, o juiz reavaliou o caso e decidiu suspender o acordo para que a leniência não produza efeitos até a decisão do STF.
O magistrado considerou que os fatos novos tornados públicos sobre as delações de executivos exigiram a reavaliação do acordo de leniência.

Da Redação com G1

Capa da Sexy encarna Feiticeira: “Ser observada assim me deixou com tesão”

Isabela Alvino será a capa da revista Sexy no mês de Setembro; veja fotos

Isabela Alvino não perde tempo! Aproveitando as semelhanças com a ” Feiticeira “, a beldade encarnou a personagem de Joana Prado e ousou em seu primeiro nu – uma prévia das curvas que mostrará na edição de setembro da revista masculina Sexy .
O ensaio para a revista aconteceu no litoral norte de São Paulo, e Isabela Alvino deu detalhes sobre os bastidores e sua preparação para estar com o shape em dia para deixar muito marmanjo babando pelas suas curvas perfeitas e pelo bronzeado impecável.
“Sou bem abusada, então o ensaio ficou um escândalo. Nada dessa coisa soft, sem tempero. Ficou bem mais polêmico que o nu original da Joana [Prado]. Me entreguei por completo, entrei no clima pra valer. A sessão de fotos foi bem excitante porque tinha gente na praia. Foi engraçado porque tinham vários homens trabalhando em uma obra bem pertinho. Quase teve acidente de trabalho. Ser observada assim me deixou com tesão. Fiquei mais entusiasmada”, contou a gata.
Apesar de estar acostumada a mostrar o corpo, a modelo afirmou que esse foi seu primeiro ensaio nu e, portanto, ficou bastante ansiosa para ver o resultado das fotos.  “Me senti nervosa como na minha primeira vez”, comparou a loira, remetendo-se à perda da virgindade.
“Nem consegui dormir direito na véspera. Quis fazer um ensaio no melhor estilo gostosona, não fiz uma preparação física especial pra ficar mais bombada ou definida. Gosto do meu corpo assim. Estou adorando me ver pelada. E acho que os homens também vão gostar bastante”, garantiu.
Isabela Alvino posa como
Isabela Alvino posa como
Isabela Alvino posa como
Isabela Alvino posa como
Isabela Alvino posa como
Isabela Alvino posa como
Isabela Alvino posa como
Isabela Alvino posa como
Da Redação com Gente

Crise econômica, desemprego e preconceito aumentam o risco de suicídio, diz Ipea

A cada 40 segundos, um suicídio ocorre no mundo. Ao todo, são 800 mil registros anuais, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Embora tenha forte componente individual, determinantes sociais - como questões econômicas - também têm influência em diversos casos investigados. Episódios de suicídio são registrados em todos os países, mas segundo dados da OMS, 75% dos episódios ocorreram em nações de baixa e média renda em 2012.
Estudo do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) sobre austeridade e saúdediagnosticou, a partir da análise de diferentes estudos, que as crises econômicas e o consequente aumento do desemprego aumentam o risco de suicídio e de mortes decorrentes do abuso de álcool.
Falta de esperança, dificuldades de se enquadrar no ambiente social e econômico são problemas apontados pela autora da análise e especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental, Fabiola Sulpino Vieira.
Crise e austeridade
Em momentos de crise, a demanda por atendimento de saúde cresce, tanto pela degradação das condições de saúde quanto pela dificuldade de ter acesso a um serviço privado. Por isso, a possibilidade de ocorrência de suicídios pode aumentar com a adoção de políticas de austeridade.
“A crise gera uma série de problemas, à medida que você provoca uma situação de instabilidade muito forte. Quando vem a austeridade, que geralmente vem por meio do corte de despesas da área social, você acaba tirando possibilidades de mitigação dos efeitos da crise na vida das pessoas”, explica Fabiola.
Após analisar vários países que enfrentaram crises ao longo da história, a pesquisadora concluiu que aqueles que mantiveram políticas de reinserção das pessoas no mercado de trabalho e renda mínima, além de serviços públicos de saúde e educação, “não só mitigaram os efeitos da crise sobre a situação de saúde das pessoas, como também tiveram resultado em conseguir retomar o crescimento econômico em um prazo mais curto do que os que adotaram a austeridade”.
Enfatizando a necessidade de prevenção, o estudo alerta que “programas de proteção social e voltados para o mercado de trabalho podem reduzir o risco de desfechos negativos sobre a saúde mental e problemas relacionados ao abuso de álcool, além disso, podem promover a saúde e o bem-estar”.
A situação do Brasil
O Brasil não está fora desse quadro. O país tem taxa proporcional de suicídio baixa. Segundo o Ministério da Saúde, em 2014, foram registrados 10.653 óbitos por suicídio no Sistema de Informação de Mortalidade, taxa média de 5,2 por 100 mil habitantes, praticamente metade da média mundial, que é de 11,4 casos para o mesmo grupo. No entanto, tem sido diagnosticado um crescimento constante do número de ocorrências, especialmente, em relação a determinados grupos sociais.
Jovens
“Fatores puramente econômicos como o desemprego e a renda causam maior impacto sobre a taxa de suicídio ao grupo de pessoas mais jovens”, destacou o Ipea, em pesquisa sobre determinantes sociais do suicídio, publicada em 2010. Pressão social por sucesso e desemprego estrutural entre os jovens são alguns dos fatores que explicam essa situação, segundo o Ipea. O suicídio é a segunda principal causa de morte entre jovens com idade entre 15 e 29 anos no mundo, segundo a OMS.
A questão de gênero é outra questão destacada na análise. Verificando microdados do Ministério da Saúde relativos ao intervalo entre 2000 e 2010, o Ipea constatou que 79% das vítimas são do sexo masculino. Já estudo que trata da relação entre acesso às armas de fogo e suicídio destacou que, quando consideradas apenas as mortes cometidas com armas de fogo, esse percentual chega a 88%.
Brancos
A diferença racial não aparenta ser tão determinante na análise das ocorrências gerais. Há 5% a mais de vítimas brancas. Quando destacado o uso da arma de fogo, esse percentual aumenta em quase dois terços.
“Isto pro­vavelmente reflete que os indivíduos de cor branca são em média mais ricos que os não brancos e, portanto, possuem mais facilidade de adquirir armas de fogo”, avalia o Ipea. 
O estudo aponta ainda que a disponibilidade de armas desse tipo pode favorecer a ocorrência de suicídios, de forma geral.
Indígenas
O acesso às armas de fogo em regiões de fronteira ou nas regiões agrícolas, onde muitos conflitos são registrados, ajuda a compreender a distribuição geográfica das ocorrências. Exemplo disso é o número bastante elevado de suicídios em Mato Grosso e no Amazonas. Enquanto a média nacional é de 5,2 casos por grupo de 100 mil habitantes, nesses locais a taxa é de 13,6 e 11,9, segundo dados do Mapa da Violência 2017.
LGBTs
Em 2016, a ocorrência de casos desse tipo no âmbito da população LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais) chamou a atenção do Grupo Gay da Bahia (GGB) que, todos os anos, produz relatório sobre violência homofóbica. O grupo registrou 26 suicídios, sendo 21 gays, três lésbicas e duas pessoas transexuais. O número deve ser maior, já que a pesquisa contabiliza apenas casos noticiados por jornais e pela internet.
Políticas públicas
O Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza acompanhamento psicológico e psicoterápico, incluindo terapia ocupacional, bem como assistência hospitalar a todas as pessoas com transtornos mentais ou problemas decorrentes do uso de álcool e outras drogas. 
Preocupado com o crescimento do número de suicídios, em 2006, o Ministério da Saúde publicou as Diretrizes Nacionais de Prevenção do Suicídio (Portaria 1.876/2006) e o manual dirigido aos profissionais das equipes de saúde mental dos serviços de saúde.
A iniciativa integra a Estratégia Nacional de Prevenção do Suicídio, que tem como objetivo reduzir as taxas de óbitos por esta causa, bem como as tentativas e os danos associados aos sujeitos envolvidos, além de estruturar a rede de suporte social e comunitária.
Em nota enviada à Agência Brasil, o ministério destacou que o Brasil está entre os 28 países, de um universo de mais de 160 analisados pela OMS, que tem uma estratégia de prevenção desse tipo. A portaria que estabelece a política está sendo avaliada pelo Comitê de Enfrentamento do Suicídio, criado recentemente pelo órgão, que deverá atualizar as diretrizes da estratégia.
O ministério também tem trabalhado em parceria com o Centro de Valorização da Vida (CVV) – serviço que oferece apoio emocional por meio de ligação telefônica, a fim de evitar o suicídio – para ampliar o alcance do serviço de apoio gratuito por telefone para todo o país até 2020.

Da Redação com Agência Brasil

sexta-feira

Petrobras deve reajustar, em até 2,6%, preços da gasolina e do diesel neste sábado

Petrobras deve reajustar, em até 2,6%, preços da gasolina e do diesel neste sábado
Neste sábado (09), os preços de venda da gasolina e do diesel às distribuidoras serão reajustados em 2,6% e 1,5%, respectivamente, segundo informações da Petrobras.

De acordo com a política de preços adotada pela empresa no final de junho, que passou a vigorar no dia 3 de julho, reajustes podem ser aplicados a qualquer momento, até diariamente, desde que a variação acumulada no mês por produto esteja dentro da faixa de +7% ou -7%.

A assessoria de imprensa da Petrobras informou ainda que quando se atinge no mês mais de 7% ou menos de 7% de reajuste, o Grupo Executivo de Mercado e Preços da companhia se reúne e analisa se vai haver alguma correção.

No ajuste anterior, que passou a vigorar ontem (07), o aumento para o diesel foi 0,7%, enquanto para a gasolina houve redução de 3,8%, segundo a companhia.


Da Redação com PB Agora

Homem é assassinado dentro de casa

Um homem foi encontrado morto na tarde desta sexta-feira (08) deitado no sofá de sua casa, no Distrito de Cupissura, em Caaporã, Litoral Sul da Paraíba.
De acordo com a Polícia Militar, a suspeita é de que Leroy Batista da Silva tenha sido morto com disparos de arma de fogo. Dentro da casa da vítima foi encontrada uma moto que havia sido roubada em março em Santa Rita, na Grande João Pessoa.
A residência do rapaz fica próximo a um canavial. Nenhum suspeito do crime foi preso. A perícia foi até o local para fazer o exame preliminar do cadáver.
Vizinhos informaram que Leroy estava sozinho em casa e tinha o costume de ingerir bebidas alcoólicas.

Da Redação com MaisPB

STF nega liminar questionando redução do duodécimo da Defensoria Pública da PB

Orçamento foi proposto pelo Governo da PB e aprovado pela ALPB

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou liminar na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5682, na qual a Associação Nacional dos Defensores Públicos (Anadep) alega que teria sido desconsiderada a proposta orçamentária originária da Defensoria Pública do Estado (DPE/PB) na Lei Orçamentária Anual de 2017. O relator entendeu que não foi preenchido o requisito da probabilidade do direito pleiteado, necessário para a concessão de liminar, pois os ajustes promovidos pelo Poder Executivo visaram adequar a proposta orçamentária da Defensoria aos ditames da lei de diretrizes orçamentárias.
A Anadep sustenta que a alteração realizada pelo governador e aprovada pelo Legislativo paraibano fere diversas normas constitucionais, como a autonomia funcional, administrativa e financeira da Defensoria e a separação dos Poderes. Diante das peculiaridades do caso, destaca que apenas a declaração de inconstitucionalidade do dispositivo da lei orçamentária não resolve a questão, por isso pediu a concessão de liminar para determinar que a Assembleia Legislativa aprecie a proposta orçamentária original da DPE/PB.
Em sua decisão, o ministro explicou que o artigo 134, parágrafo 2º, da Constituição Federal assegura às defensorias públicas estaduais a autonomia funcional e administrativa e a iniciativa da respectiva proposta orçamentária. “Observando-se os limites previstos na lei de diretrizes orçamentárias, a proposta é enviada ao Poder Executivo, que, por sua vez, a consolida e a encaminha para deliberação da assembleia legislativa”, observou.
A garantia da iniciativa da proposta orçamentária por parte da Defensoria, no entanto, não implica inalterabilidade absoluta de seu conteúdo no âmbito do poder Executivo, destacou Mendes. “Com o objetivo de adequar a proposta ao que prevê a lei de diretrizes orçamentárias, o Poder Executivo poderá, legitimamente, promover as alterações necessárias, sem que, ao fazê-lo, incorra em extrapolação de sua competência”, afirmou.
No caso dos autos, o governador da Paraíba informou que a proposta da Defensoria Pública estadual foi ajustada para respeitar os limites previstos no artigo 35 da lei de diretrizes orçamentárias do estado, e que a mesma providência foi tomada em relação às propostas dos demais Poderes. O dispositivo estabelece que os Poderes Legislativo e Judiciário, os Tribunais de Contas, o Ministério Público e a Defensoria Pública terão como base para elaboração de suas propostas orçamentárias o total da despesa fixada na lei orçamentária de 2016 para os referidos Poderes e órgãos, acrescida de suplementações.
Também com base nas informações prestadas, o ministro Gilmar Mendes disse que não se pode desconsiderar a notória situação de crise orçamentária que se verifica em vários estados da Federação, entre eles a Paraíba, inclusive com decréscimo das receitas ordinárias estimuladas pelo estado. Para o relator, não se mostra razoável nem compatível com o texto constitucional impedir o Poder Executivo de adequar a proposta à lei de diretrizes orçamentárias.

Da Redação com WSCOM